Em nosso dia a dia profissional, lidamos com forças, fraquezas, oportunidades e ameaças; e muitas vezes não monitoramos e deixamos de avaliar com clareza para poder caminhar. Neste ano de 2015, estamos sendo bombardeados com as intensas emoções que envolvem a tão temida crise. Muitos têm medo de investir, de correr risco. Um período que vem gerando instabilidade, demissões, aumento da inadimplência e que vem fazendo muitos repensarem seus negócios.

Em meio ao problema, as pessoas querem descobrir ou apontar ‘de quem é a culpa?’. Mas… que diferença isso faz?

Queremos mesmo é desenvolvimento e progresso. Queremos representantes públicos e lideres que se preocupem e trabalhem pelo todo e pelo desenvolvimento de modo contínuo e coerente. Queremos empreendedores animados, investindo e gerando empregos. Profissionais motivados contribuindo com a qualidade e a circulação da economia.

Pior do que o ‘fato’ é ‘como se sente’ ou ‘age’ diante desse fato.

Se o desânimo, o mal-estar e a descrença tomarem conta do brasileiro, como o mercado irá reagir?

Claro que não precisamos ‘tapar o sol com a peneira’, mas podemos ‘registrar o momento que o sol brilha’.

Podemos pensar, planejar e organizar em conjunto. Unir líderes de um município, de um segmento, de uma região e engajar forças para o mercado reagir.

Enquanto estiver cada um por si e descrente, ainda vai haver demissões, ainda vai haver crise, ainda vai haver medo.

Mas que tal uma construção coletiva?

Mulheres Empreendedoras, Empreendedorismo Rosa, Empretecos, G30, Ademata e os ‘Ns’ grupos que há em nossa região e no Brasil que podem unir pensamentos e construir caminhos para um cenário positivo e próspero.

Que tal?

Um abraço, um lindo e próspero mês!

Monique Gardingo