O Programa Municipal de Incentivo à Cultura, Lei Ascânio Lopes, foi criado em 2009 e, neste ano, financia 25 projetos entre peças de teatro, livros, shows e outras ações. A Lei incentiva a formação artística e cultural da cidade, contemplando o município e seus distritos. Para participar, os eleitos tiverem de submeter seus projetos para análise da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo.

O escritor Joaquim Branco Ribeiro Filho teve seu novo livro intitulado “Pequena História da Fundação de Cataguases” escolhido. A obra foi concebida através de um viés infantil, mas o autor garante que os adultos também irão se interessar. “Meu propósito é sugerir que seja adotado nas escolas cataguasenses, pois ele conta, resumidamente, a história do município desde seus primórdios até o ano de 1908. Isso porque foi baseado no clássico “O Município de Cataguases” dos irmãos Arthur e Astolpho Rezende, publicado em 1908 e esgotado há muitos anos”, explica Joaquim. O livro ainda conta com a colaboração da pintora Glória Azevedo, de Leopoldina, que ilustrou em cores todas as páginas.

A professora da Escola de Música Lila Carneiro Gonçalves, Alethea Sarnento, também foi uma das contempladas pela Lei. Intitulado “Música Solidária”, seu projeto contará com a participação de seus alunos em torno de 15 apresentações beneficentes. Todo o dinheiro arrecadado será destinado à entidades como creches e asilos. “Ficamos imensamente felizes pela aprovação do nosso projeto. Essa oportunidade tem sido uma grande incentivadora para a cultura da nossa cidade”, disse Alethea.

Para serem escolhidos, os projetos foram avaliados quando à análise documental; consistência; exequibilidade; descentralização das ações; efeito multiplicador e impacto cultural. As inscrições puderam ser feitas na Secretaria de Cultura e o edital acessado através do site da Prefeitura. “A Lei conta com uma doação pequena – até 12 mil reais para cada projeto, mas que funciona muito bem para os propósitos pelo qual foi criada. Trata-se de uma verba restrita, no entanto independente, e que dá ao candidato um valor que possibilita a realização de projetos mais baratos, contudo, igualmente válidos”, finaliza Joaquim Branco.