A reunião teve início à voz do provedor do hospital de Cataguases, Bil Crepaldi. A  entidade completa neste ano seu centenário e uma das formas de comemorar, estando dentro do orçamento atual, foi a realização nesta segunda-feira dia 28 de março, no 13º andar, um encontro para o enfatizar a importância e luta das mulheres perante o mercado e a sociedade em geral.

O bate-papo ocorreu de forma informal e foi conduzido por Maria Inês Dal Bianco, Dra. Maria Ângela Girardi, Carol Damasceno e Dra. Fernanda P. Ramos com participação dos presentes. Discutindo sobre assuntos que passaram pela posição da mulher moderna, as conquistas já realizadas, o que ainda deve e pode ser feito e das bases culturais que inferiorizam as mesmas.

O ponto forte do encontro foi a abordagem da desigualdade de gênero em todos os aspectos de uma rotina, desde a comparação entre uma menina e um menino, que têm hora distinta para chegar em casa quando se sai com os amigos, até a distinção de salário no mercado de trabalho. Em paralelo, foram expostas também as conquistas já adquiridas pelas mulheres como a introdução à política (pois a mulher não votava até 1932), o espaço que apenas homens ocupavam como cargos que exigem maior força física, questões de liderança e etc.

Outro ponto, foi a exigência do padrão de beleza imposto atualmente. Carol Damasceno falou sobre a influência da mídia neste aspecto. Tendo em vista a preocupação da maioria das mulheres para se manterem de acordo com o “padrão de beleza atual”. Enfatizando o tópico, a Dra. Maria Ângela Girardi falou sobre a imposição que lhes é dada e a influência para que se consuma cada vez mais bens supérfluos e a procura pela beleza exterior sem se lembrar do mais importante, que seria o interior bem cuidado. Maria Inês Dal Bianco ainda completou com um exemplo, e disse que isto não está tão longe de nós, basta olharmos para mulheres ao redor que encontraremos este tipo de desigualdade. Corroborando, Dra. Fernanda P. Ramos citou a questão da base machista que tanto nós brasileiros, como muitos países, teve na sua construção.

Ao final da conversa, foi realizado um sorteio de um produto da Mary Key por duas consultoras da marca, sendo escolhido um número diante da lista de presença, e teve como vencedora a Dra. Maria Ângela Girardi. Logo após, foi servido um coquetel para todos que participaram do encontro de mulheres.

“Mais eventos como este devem acontecer! Eles precisam também ser descentralizados, para que possam ser levados às igrejas, bairros… falar da agressão da mulher nas empresas, onde ainda impera a sociedade patriarcal. Vejo que a sociedade precisa desses ensinamentos, pois nossa cultura, no sentido de negar que deve-se haver uma igualdade de gênero, é muito forte. A educação é a coisa mais importante que vejo nesse processo. Também deve ser tirado essa invisibilidade da mulher. A mulher precisa se emponderar, tanto na capacitação, qualificação e criação de recursos que possam as abranger.” Dra. Maria Ângela Girardi.

“ Assim como disse algumas vezes durante a conversa, esses eventos precisam ocorrer com maior frequência, para que possamos parar e pensar que já evoluímos, mas que ainda temos muita luta pela frente. A mulher chegou num ponto que ela conseguiu igualdade perante a lei, perante a constituição de 88, porém ainda falta igualdade no mercado de trabalho, nas relações interpessoais. Nós mulheres precisamos sentar e conversar sobre esses aspectos e lutar pelo nosso espaço.” Carol Damasceno.