Sempre estamos conversando sobre o desenvolvimento do mercado de trabalho, o qual cada dia se torna mais competitivo e traz novas demandas, antes nos colocada de forma menos efêmera e veloz. Este mercado cobra que os profissionais deste novo século, sobretudo os líderes e executivos, devem ser criativos, talentosos, perceptível a novas situações, ágil nas respostas e ainda devem manter o nível de conhecimento atualizado.

Há uma demanda em torno de um desenvolvimento de novas competências através de atualizações constantes, sejam profissionais ou pessoais, por meio da aquisição de novas habilidades e conhecimentos.

Não poderíamos hoje pensar em dar um “Up” na carreira profissional sem contarmos com cursos de Pós Graduação, consultorias especializadas e uma novidade que vem crescendo nas grandes corporações, o profissional de Coach.

Coach, que em uma tradução ao pé da letra em inglês é treinador, seria um profissional responsável em apoiar o cliente (coachee) na busca de realizar um objetivo, ajudando a traçar as diversas metas que somadas levariam o coachee a alcançar uma finalidade estabelecida. Coaching é deste modo, um processo objetivo, gerido por um conjunto de informações crescentes oriundas de sessões, onde são estabelecidas metas, com a finalidade de atingir transformações positivas na vida do coachee.

O cerne de um programa de coaching é colaborar para que o indivíduo possa solucionar problemas e transformar o que aprendeu em resultados positivos para si e para sua equipe de trabalho. É uma abordagem de desenvolvimento humano e profissional que tem como objetivo apoiar profissionais de qualquer área de atuação a elevar ao máximo seus resultados com base na otimização de seus próprios recursos técnicos e emocionais.

A aplicação de um programa de coaching para gestores vem se popularizando no Brasil com grande intensidade, porém nos Estados Unidos essa prática já é muito conhecida.

O trabalho, em geral, inicia-se a partir da definição do objetivo que o cliente (coachee) quer alcançar, que podem abranger temas diversos como, a gestão do tempo, o relacionamento interpessoal/intrapessoal, o trabalho em equipe, a motivação de equipes, comunicação, liderança dentre outras. Estes temas não precisam estar unicamente ligados às questões profissionais, podem também ser de origem pessoal ou profissional, uma vez que o que se busca no processo é o reconhecimento de habilidades que contribuam para o desenvolvimento e aprimoramento do cliente, de seus resultados e de sua qualidade de vida. A partir da busca do desenvolvimento de competências técnicas e emocionais, o coach opera como um “olho externo” para seu cliente. Apoiando-o em seu autoconhecimento por meio de um novo ângulo de visão.

Esse processo configura como subsídio para o equilíbrio e o desenvolvimento contínuo do procedimento profissional ou pessoal. Capaz de fomentar a motivação, o rendimento, a capacidade de comunicação e o sucesso, uma medida inovadora no que tange o desenvolvimento de recursos humanos.

Existem vários tipos de coaching, o executivo, responsável por direcionar lideres e executivos a melhorem, a partir do desenvolvimento de suas habilidades, os processos dentro de uma empresa, o pessoal ou também conhecido como coaching de vida, que busca a capacitação das pessoas na sua auto-realização, pelo alcance de suas metas, cooptando para elas tenham uma vida equilibrada com seus valores, missão e propósito de vida. O Coaching de Performance – ou Coaching do Desempenho – que tem por finalidade de reconhecer as habilidades naturais dos profissionais, as quais eles por si só não são capazes de trazer a tona.

Segundo dados do SENAC existem hoje, no mundo, 16 mil profissionais habilitados para realizar o processo de coaching. Porém no Brasil são menos de 2 mil. Isto justifica a dificuldade de encontramos estes profissionais fora dos grandes centros. Mas caso tenha interesse no processo existem empresas responsáveis por abarcar estes profissionais, aqui vai a dica de uma delas http://www.topcoaching.com.br/quem-somos.